Produto adicionado com sucesso!
Produto removido!

O gasto com a manutenção de um barco a vela é determinado por uma longa lista de fatores. Aqui, vamos abordar os principais, tomando por base proprietários de modelos usados que não moram a bordo e que, portanto, têm de pagar pelos serviços - quando se mora no barco, pelo menos a manutenção básica, ou seja, a lavagem e limpeza geral, são realizadas pela tripulação. Como veremos adiante, estes itens são dos mais onerosos, mas necessários para quem usa o veleiro apenas de vez em quando.

Começando pela parte mais importante de um barco a vela, composta pela armação, mastro, estaiamento, velas, cabos e conjunto de moitões, seguimos a recomendação de trocar todo o estaiamento, incluindo os esticadores, a cada 10 anos. Na prática, há quem faça revisões periódicas no estaiamento, trocando o que for necessário, mas não tudo ao mesmo tempo. Já outros, nem este cuidado têm, arriscando-se a perder o mastro junto com o velame, o que acaba saindo muito mais caro e, pior, coloca em risco o barco e a segurança da tripulação.

O custo de manter um barco é bastante relativo, porque depende do perfil do proprietário. Então, montamos três planilhas de gastos anuais com os itens mais onerosos, para 10 anos, dois anos e um ano. Consideramos também os velejadores que deixam seus barcos em poitas, com serviço terceirizado de lavagem, limpeza geral incluindo as obras-vivas e traslado de ida e volta até o barco. Barcos em marinas costumam ter um custo um pouco superior.

Não computamos nestas planilhas o gasto com combustível, que varia bastante em função do uso do barco, já que a propulsão principal é a vela, e tampouco o valor da troca de eletrônicos, o que é bastante relativo, pois se bem-cuidados alguns instrumentos duram bastante, lembrando ainda que é possível ter um bom aplicativo de gps no celular pagando pouco por isto.

Pequenas despesas, como custo de bombas de porão, registros de casco e uma ou outra ferragem que não foi inserida, bem como o material de salvatagem, como recarga de extintores e troca dos sinalizadores. Como boa parte dos velejadores não faz seguro do barco, também não levamos em conta esta despesa. No entanto, se optar pelo seguro de casco, basta acrescentar 1,5% do valor do veleiro por ano (média de seguro de casco para veleiros de cruzeiro, sem considerar a participação em regatas).

O gasto com capotaria também não foi considerado, pois, varia bastante de acordo com o tipo, alguns veleiros têm apenas uma pequena capota bimini, enquanto outros têm fechamento completo e capas para proteger o convés quando o barco ficar parado. Para estes, considera-se que a troca dos tecidos custa o equivalente à metade do valor da troca das velas, também com durabilidade média de 10 anos.

Há muitas variáveis que afetam o custo de manutenção e, dependendo do cuidado e do uso, podem ser colocadas ou retiradas destas planilhas, que servem como uma orientação básica ao proprietário, lembrando sempre que as despesas com manutenção podem ser maiores, caso haja necessidade de reparos no motor, que podem ser onerosos, dependendo da situação.

Considerando um veleiro de 23 pés o preço médio de compra de aproximadamente 150 mil reais. Um veleiro novo de 33 pés pode custar até R$ 200 mil. Um modelo usado e um pouco menor, à venda na Marina, está saindo por R$ 45 mil. Já para quem procura um veleiro para morar um bom barco, de 25 pés, com uma cabine e banheiro, custa cerca de 100.000 reais.

Quando se está em mar aberto existem alguns veleiros que se destacam como para a família o veleiro Bavaria Cruiser 46, do estaleiro alemão Bavaria Yachts, foi eleito o melhor barco a vela para passeios com a família. Já um veleiro de cruzeiro rápido, o melhor seria o francês JPK 10.80.

Além disso antes de comprar um veleiro é necessário analisar algumas características, como: mastreação bem dimensionada; rigidez estrutural de casco; motor de marca confiável; velas de dacron importado e produzidas em velerias renomadas; hidráulica e instalação elétrica bem executada; livre de osmose.

O dono que quiser morar no barco ancorado deve pagar o valor mensal de R$ 117 por pé, valor válido neste ano. O Bahia Marina por exemplo, tem em seu espaço um centro gastronômico, vigilância 24 horas, sala de estar com acesso à internet e TV a cabo, posto de abastecimento, lojas e serviço de manutenção. Calcule por ano um gasto aproximado de 1.000 a 2.500 reais com manutenção em geral. Dependendo do barco, se tiver motor, os custos aumentam.

Gostou desse conteúdo? Confira nosso blog completo para ver mais! Acesse o Barco Novo e confira nossos produtos para sua embarcação.

Tecnologia
iSET - Plataforma de E-commerce para criar loja virtual
Plataforma de E-commerce para criar loja virtual